Cuiabá, 15 de julho de 2020

Até quando Catelina…?

Por: Ana Claudia Fortes - 26 de junho de 2020

Advogado Renato Gomes Nery

Eu prometi para mim mesmo que não iria mais escrever com tanta assiduidade sobre questões políticas, pois a minha praia é escrever crônicas. Entretanto, seja pela cobrança de alguns leitores, seja pela situação crítica por que passa a população brasileira, com esta implacável pandemia, estou novamente a me ocupar deste tema.

A pandemia do corona vírus existe e é universal. Isto é indiscutível. Onde ela foi bem combatida já se colheram resultados positivos. Onde ela foi mal peleada, persiste a fazer uma ruma incalculável de vítimas. O nosso Brasil brasileiro, onde as coisas não são encaradas com a seriedade devida, os resultados são assombrosos. A começar pelo Presidente da República que desafia diariamente a lógica e o bom senso, ao sair em público sem os cuidados devidos. Bem como a afirmar que tem um remédio eficaz ou que o vírus não existe, culpando a tudo e a todos pelo seu desenlace.

O combate ao Corona vírus é função de todos, mas sobretudo, é responsabilidade indelegável do Presidente da República que furta a fazê-lo. Não é por que o STF decidiu que algumas medidas com fechamento do comércio e o isolamento de pessoas são atribuições de Prefeitos e Govenadores que o exime de suas reponsabilidades ao deixar o Pais à deriva. Não se tem conhecimento de um comitê de crise e o Ministério da Saúde, após diversas defecções, sequer tem um Ministro efetivo. O Presidente não quer arcar com ônus de medidas impopulares, continua jogando contra, com suas aparições espetaculosas para agradar o seu fanático fã clube.

A País precisa de uma direção e de um rumo. Esta pandemia ceifa milhares de vida diariamente, à revelia de um comando efetivo e seguro neste País de dimensões continentais. A política de culpar outros pela negligência não exime o acusador da responsabilidade, principalmente por que está em jogo a sanidade, a vida e a morte das pessoas. Esta omissão, além de criminosa, é uma insanidade e uma manifesta crueldade mascarada de extermínio, pois já se foram mais 50.000 pessoas. Não há justificativa plausível para esta tragédia!

Além do mais, não é crível que o Chefe do Executivo encha as burras de dinheiro da União de autoridades menores, sem o controle de como o dinheiro vai ser gasto, para se postar depois de vestal incorruptível e ser o único homem honesto do País. Até por que este título é reclamado por outro ex-presidente. Não custa lembrar que quem tem a chave do cofre manda e desmanda! E esta chave todos sabem na mão de quem está!

O Presidente foi eleito para cuidar do País e, sobretudo, das pessoas que nele habitam, mas a impressão é de que o descaso, a omissão e a indiferença estão no comando.

Neste tormentoso momento é bom lembrar Cícero: Até quando Catelina, abusarás da nossa paciência?

Daqui a pouco o consenso pelo impeachment se consolida ou a pura e simples cassação de mandatos pelo Poder Judiciário, pois motivos não faltam.  Enfim, esta crise de imensos sofrimentos e incontáveis mortes – aumentadas exponencialmente todos os dias – promete levar de roldão mandatos em curso e os planos de reeleição por aqui e no exterior. Vamos torcer para não sermos a próxima vítima, a fim de presenciarmos o desfecho desta triste e trágica novela, pois parece que o fundo do poço ainda está por vir

Renato Gomes Nery. E-mail – rgnery@terra.com.br