Cuiabá, 25 de janeiro de 2021

Planejamento versus execução

Por: Ana Claudia Fortes - 31 de agosto de 2020

Auditor público externo do TCE, Francisney Liberato Batista Siqueira

Há alguns meses precisava fazer uma reforma em minha casa, para tanto, montei um planejamento detalhado com todas as etapas necessárias; prestadores de serviços, valores, tempo para começar a execução dos trabalhos e estimativa do término da obra.

Nesse período, lembro-me de um dia em que combinei com três prestadores de serviço para executarem uma determinada empreitada, a qual terminaria no mesmo dia. Na minha organização, cada etapa estava interligada até o tempo final dela.

Como tudo, para mim, tem que haver organização e planejamento, tomei todas as medidas necessárias para que tudo ocorresse dentro do planejado, entretanto, nem sempre o resultado sai a contento, ainda mais quando envolvemos uma terceira pessoa.

Apesar de ter feito a organização de cada etapa da reforma da casa, naquele dia, um dos prestadores de serviços simplesmente não compareceu, quebrando toda a minha organização. Por exemplo, era necessário assentar pedras na parede, para depois preparar o piso e, na sequência, pintá-lo. Como o prestador de serviço que iria assentar a pedra faltou, consequentemente, atrapalhou todo o cronograma da pintura e demais serviços subsequentes.

Usando da criatividade, apesar dos imprevistos na reforma, consegui fazer uma remodelação no planejamento, a fim de alcançar o resultado com êxito, o que de fato ocorreu.

Para quem não aprecia planejar a vida, eu recomendo que o faça. Para quem já faz o planejamento para todas as áreas da vida, eu indico que continue assim. Para você que tem dúvida sobre planejar, sugiro que você faça um teste e veja qual opção lhe dará mais resultados e menos dores de cabeça.

Um detalhe interessante do planejamento, como o caso explanado, é que, a cada etapa que percorremos, não estamos livres dos imprevistos, pois sempre que envolve uma terceira pessoa envolve também algum fator surpresa, porém, é necessário continuar com o foco no planejamento, pois se houver algo desagradável mesmo organizado, imagine do contrário.

É importante lembrá-los que um dia ruim na execução de uma etapa não significa dizer que teremos outros dias assim. Portanto, devemos fazer a nossa parte, os dias bons sempre acontecem em nossas vidas e são sempre bem-vindos.

Mantenha o foco nos dias bons, até para manter a motivação, pois a execução nem sempre sai de acordo com o nosso planejamento, entretanto, temos a capacidade de sermos flexíveis para reajustar os nossos planos.

O ideal é que tivéssemos um planejamento e que ele fosse 100% executado, sem nenhum imprevisto. Contudo, a nossa vida oscila. O que devemos ter em mente é a cultura do planejamento como maneira permanente de se viver.

Francisney Liberato Batista Siqueira é auditor público externo do Tribunal de Contas de Mato Grosso.