Cuiabá, 30 de outubro de 2020

Questões ambientais e desigualdades

Por: Ana Claudia Fortes - 14 de outubro de 2020

Jornalista Onofre Ribeiro

Na edição deste domingo, no Caderno “Eu e fim de Semana”, do Jornal Valor Econômico, levantou-se algumas questões muito disruptivas: os paradigmas ambientais e as desigualdades sociais.

 

São paradigmas mundiais. Mas foram trazidos para o Brasil pelos entrevistados, empresários de ponta ou dirigentes classistas. Nenhum político foi ouvido. Por razões óbvias: entre elas o atraso mental!

A matéria tem o título “Líderes empresariais veem democracia em recessão e criticam Bolsonaro”.

Destaco uma frase simbólica do conteúdo: “Espero que as elites, a academia e as associações da sociedade fiquem atentas para não deixar esse processo evoluir”.

A ideia é que empresários e executivos no Brasil começam a se manifestar sobre a condução da agenda democrática no país.

Foram ouvidos líderes de grandes corporações como Magazine Luiza, por exemplo. Todos estão conscientes de que a imagem do Brasil neste momento está amarrada em dois paradigmas mundiais.

O primeiro, a questão ambiental, iniciada há muitos anos e até agora sem respostas eficientes que deem ao mundo garantias. Os efeitos já começaram a ser sentidos no plano econômico. Exemplo: a paralisação do acordo econômico entre o Mercosul e o bloco da União Européia, por desconfianças da área ambiental no Brasil.

Na prática os europeus e o mundo esperam garantias brasileiras de uma política ambiental não ideológica e realista. Os riscos para o Brasil são enormes. O mundo pode nos boicotar.

Os incêndios na Amazônia foram  determinantes a partir de 2019. Este ano no Pantanal. O que se vê são reclamações sobre a soberania do Brasil nessas regiões. Mas não se fala em nenhum momento numa profunda política econômica, social, ambiental e social. Nada definitivo sobre o futuro. Nem sinais de estratégia!

De outro lado, as desigualdades sociais no Brasil, particularmente, estão na mira do mundo. Na mesma edição do caderno “Eu e Fim de Semana”, a ex-CEO no Brasil da gigante francesa da moda, Lacoste, Rachel Maia, deixou a empresa com um projeto social claro: “empoderar negros e sensibilizar brancos”, diz ela.

O tema é a gradual, mas rápida quebra das desigualdades no Brasil, a começar das raciais. O mundo inclui desde já esse tipo de atitude entre as barreiras de ordem econômica em relação ao Brasil.

Voltarei ao assunto numa série de artigos a partir de amanhã.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso