Cuiabá, 21 de janeiro de 2021

Transumantes

Por: Ana Claudia Fortes - 14 de janeiro de 2021

Promotor de Justiça em Mato Grosso,Emanuel Filartiga

Os Rarámuri, gentes do México, conhecidos como “los de los pies ligeros”, correm distâncias de mais de 100 km. Não são esportistas de elite; são camponeses.

É dito que na África começou a viagem humana pelo mundo. Darwin e Dart afirmaram isso há muito tempo. Há mais de 3 milhões de anos, gentes eram capazes de trabalhar com pedra e osso, construir cabanas e viver em grupos. Dali elas se lançaram ao planeta. (Andando pelas escolas, uma criança me perguntou se Adão e Eva eram negros)

O rosto de cada um conta a história desse Brasil, estamos vivos e pulsantes rumo ao destino tudo.

Migrantes… sempre além do horizonte, avante ao desconhecido. Como canta a canção: “somos uma espécie em viagem, não temos pertences, mas sim bagagens. Vamos como pólen ao vento, estamos vivos porque estamos em movimento”.

Não tomemos o entroncamento pelo fim da linha, amigo leitor. É bom lembrar, com Aristóteles, que é parte da probabilidade que o improvável aconteça. Ah! O inesperado sempre acontece.

Há de ter interesse – quero o espírito dessa palavra – vem do latim, “estar entre”. Se estou interessado, transcendo meu ego, abro-me pro mundo e salto dentro dele.

Interesse é a atitude relativamente constante que permite que, a qualquer momento, a pessoa compreenda intelectualmente e emocionalmente o mundo exterior. É uma atitude da pessoa viva em tudo o que é vivo e que cresce (Fromm).

Há de ter esperança. Ter esperança significa estar pronto a todo momento para aquilo que ainda não nasceu e todavia não se desesperar se não ocorrer nascimento algum durante nossa existência (Fromm).

Somos mais semente que fruto. E a semente não é só o início, são todas as partes também.

Se for preciso voltaremos milhões de anos, quando as terras todas se juntavam, para que possamos caminhar ao encontro, ao grande encontro… do outro e de nós mesmos.

“Viver – não é? – é muito perigoso. Porque ainda não se sabe. Porque aprender – a – viver é que é o viver, mesmo.” (Guimarães Rosa)

*Emanuel Filartiga Escalante Ribeiro é Promotor de Justiça em Mato Grosso